Artigo - Spatial and temporal patterns of dengue infections in Timor-Leste, 2005–2013 (Padrões espaciais e temporais de infecções por dengue em Timor-Leste, 2005–2013)

5 June, 2018

Estimados colegas,

Encontrei um artigo sobre Timor Leste que foi publicado em Janeiro de 2018 (bastante atual) e que retrata a situação da dengue naquele país.

Infelizmente o documento está escrito em inglês, mas o acceso é grauito já que está indexado em PMC Central.

Traduzo aqui o resumo para o português:

Resumo

Antecedentes: A dengue continua a ser um importante problema de saúde pública em Timor-Leste, com várias epidemias importantes ocorrendo nos últimos 10 anos. O objetivo deste estudo foi identificar casos concentrados de dengue em áreas geográficas de alta densidade e determinar a associação entre características ambientais locais e a distribuição e transmissão da doença.

Métodos: As notificações dos casos de dengue ocorridos no período de janeiro de 2005 a dezembro de 2013 foram obtidas junto ao Ministério da Saúde de Timor-Leste. A população de cada suco (a subdivisão administrativa de terceiro nível) foi obtida a partir do Censo Populacional e Habitacional 2010. A autocorrelação espacial na incidência da dengue foi explorada por meio da estatística I de Moran, Indicadores Locais de Associação Espacial (LISA – por sua sigla em inglês), e as estatísticas de Getis-Ord. Uma regressão multivariada, um modelo de Zero-Inflated Poisson (ZIP) foi desenvolvido com uma estrutura prévia autorregressiva condicional (CAR) e com parâmetros posteriores estimados utilizando a Simulação Bayesiana de Monte Carlo (MCMC – por sua sigla em inglês) da cadeia de Markov com amostragem de Gibbs.

Resultados: A análise utilizou dados de 3206 casos. A incidência de dengue foi altamente sazonal, com um grande pico em janeiro. Os doentes com idade ≥ 14 anos revelaram 74% [intervalo crónico de 95% (CrI): 72–76%] menos provável de estarem infectados do que os <14 anos, e as mulheres eram 12% (95% CrI: 4–21%) mais propensas a sofrer de dengue do que os homens. A incidência da doença foi aumentada em 0,7% (IC 95%: 0,6 a 0,8%) para aumento de 1 ° C na temperatura média; e 47% (95% CrI: 29-59%) para um 1 mm de aumento na precipitação. Não houve aglomeração espacial residual significativa após a consideração do clima e

variáveis ​​demograficas.

Conclusões: A incidência de dengue foi altamente sazonal e espacialmente agrupada, com associações positivas com a temperatura, precipitação e fatores demográficos. Esses fatores explicaram a heterogeneidade espacial observada da infecção.

Palavras-chave: Dengue, Timor-Leste, Análise espacial, Análise bayesiana, Análise de séries temporais

O documento na íntegra pode ser recuperado em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5755460/

Saudações,

Eliane Santos - Moderadora HIFA-PT

Perfil HIFA-pt: Eliane Pereira dos Santos é brasileira e Mestre em Ciências da Informação/Gestão do Conhecimento. Tem Pós-Graduação em Gestão Estratégica da Saúde e um Master Business Intelligence. Bacharel em Biblioteconomia (UnB) começou sua carreira no setor saúde em 2001, como consultora do projeto Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde que veio a coordenar até o ano de 2008 além de apoiar as ações de cooperação técnica daquele Ministério da Saúde com a BIREME/OPAS/OMS. No ano de 2008 ingressou na OPAS/OMS, Representação Brasil como consultora em Gestão do Conhecimento. Atualmente é Assessora Regional de Biblioteca e Redes de Informação do Escritório Central da OPAS/OMS (Washington, DC - EUA). No escopo de seus atribuições está a Memória Institucional da Organização, na Disseminação de Informação por meio das listas de distribuição (referência à lista Equidad) e na Coordenação Técnica da Revista Pan-Americana de Saúde Pública.