Nota Brasil: Aumenta o número de brasileiros que admitem beber álcool e dirigir

5 June, 2018

Olá novamente amigos do HIFA-PT.

O Ministério da Saúde do Brasil divulgou nota imortante sobre direção e álcool : uma mistura nada inteligente que gera muito impacto para a saúde pública não só naquele país mas em muitos outros.

"Aumenta o número de brasileiros que admitem beber álcool e dirigir

1.º de junho 2018 - pesquisa Vigitel também mostra que homens são os que mais se arriscam. Palmas possui uma das taxas mais alta de incidência daqueles que consomem álcool e mesmo assim assumem a direção, entre as capitais.

Dez anos após a implementação da Lei Seca, um dado chama a atenção: de 2011 a 2017, a frequência de adultos que admitem conduzir veículos motorizados após terem ingerido qualquer tipo de bebida alcóolica aumentou 16% em todo o país. No conjunto das 27 cidades, 6,7% da população adulta referiram conduzir veículo motorizado após consumo de bebida alcoólica. Os homens (11,7%) continuam assumindo mais essa infração do que as mulheres (2,5%).

As informações fazem parte da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) realizada pelo Ministério da Saúde em todas as capitais do país. O resultado reflete respostas de entrevistas realizadas de fevereiro a dezembro de 2017 com 53.034 pessoas maiores de 18 anos.

A Diretora de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde, Fátima Marinho, explica que, pela pesquisa, observa-se prevalentemente que os homens continuam a se arriscar mais do que as mulheres. "Esse é um perfil mundial, mas que no Brasil agrava a situação devido à infraestrutura que o país oferece aos condutores. É necessário ser mais prudente, pensar que os acidentes de trânsito podem matar e causar graves sequelas. Da mesma forma, os governos também precisam rever como podem tornar as vias melhores e mais seguras", enfatizou.

A maior prevalência foi observada entre os adultos de 25 a 34 anos (10,8%), e com maior escolaridade, chegando a 11,2% entre aqueles com 12 ou mais anos de estudo. A capital com menor frequência desse comportamento foi Recife (2,9%), e a maior foi Palmas (16,1%). Com relação ao consumo abusivo de bebidas alcoólicas, a prevalência sofreu alta de 11,5% entre 2006 (15,7%) e 2017 (19,1%).

Observando por sexo, o aumento foi encontrado apenas entre as mulheres, subindo de 7,8% em 2006 para 12,2% em 2017. Entre os homens houve estabilidade no período, mas eles continuam tendo maior prevalência que as mulheres, com 27,1% em 2017..."

A nota completa (escrita por Ingrid Castilho) está disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/43235-transito-consu...

Saudações,

Eliane Santos - Moderadora HIFA-PT

Perfil HIFA-pt: Eliane Pereira dos Santos é brasileira e Mestre em Ciências da Informação/Gestão do Conhecimento. Tem Pós-Graduação em Gestão Estratégica da Saúde e um Master Business Intelligence. Bacharel em Biblioteconomia (UnB) começou sua carreira no setor saúde em 2001, como consultora do projeto Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde que veio a coordenar até o ano de 2008 além de apoiar as ações de cooperação técnica daquele Ministério da Saúde com a BIREME/OPAS/OMS. No ano de 2008 ingressou na OPAS/OMS, Representação Brasil como consultora em Gestão do Conhecimento. Atualmente é Assessora Regional de Biblioteca e Redes de Informação do Escritório Central da OPAS/OMS (Washington, DC - EUA). No escopo de seus atribuições está a Memória Institucional da Organização, na Disseminação de Informação por meio das listas de distribuição (referência à lista Equidad) e na Coordenação Técnica da Revista Pan-Americana de Saúde Pública.